(Português do Brasil) Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em 28 de outubro, a SBS transmitiu um especial com entrevistas de vários idols antigos e atuais.

Nas entrevistas, os idols falaram sobre as realidades de sua carreira escolhida. Tony Ahn, do H.O.T, disse: “Eu não sabia nada sobre cultura de trabalho e não tinha experiência. Eu era muito jovem quando comecei a trabalhar, então foi muito difícil me adaptar rapidamente”.

Subin, do Dal Shabet, disse: “Estou muito feliz agora [que eu possa tomar o transporte público confortavelmente]”. Su Bin, junto com outras duas integrantes do Dal Shabet, deixaram sua agência no ano passado e assinaram com a Keyeast em fevereiro. Ela acrescentou: “Estou um pouco triste, mas acho que fiz bem e estou orgulhosa de mim mesmo. Eu acho que, inconscientemente, sempre esperei que terminasse assim. Havia uma diferença entre o modo como o público me via e meu verdadeiro eu. Eu sempre mostrei às pessoas o lado mais brilhante de mim, mas essa não era a parte de mim que eu queria que as pessoas vissem”.

Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

O Thunder da MBLAQ, que recentemente montou sua própria gravadora, disse: “Acho que estou mais feliz agora”, embora tenha acrescentado que estava com medo de ficar em pé sozinho depois de fazer parte de um grupo por tanto tempo. “Não foi só porque eu quis fazer minha própria música. Depois que saí da agência, não sabia como fazer nada sozinho. Coisas como encomendar coisas on-line ou comprar passagens de avião sozinhas eram tarefas desconhecidas. Quando eu era um idol, tudo estava preparado para mim”.

Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

Gayoung do STELLAR disse: “As pessoas te julgam pelos três minutos que você passa no palco. Mas eu vejo tudo antes e depois desses três minutos também. Existem 100 grupos idols criados todos os meses, mas apenas dez ou mais equipes podem aparecer em shows de música. Quando você está nesse palco, percebe como a concorrência é feroz”.

Ela acrescentou: “Nós pensamos que tínhamos que fazer o que a agência nos dissesse. Queríamos divulgar o nosso nome e só tivemos uma reação quando fizemos apresentações extremos. Eu fiquei muito triste com isso. Eu pensei que uma vez que nos tornássemos conhecidos, poderíamos fazer o que quiséssemos, mas a realidade era diferente. Eu não sou esse tipo de pessoa, mas as pessoas pensavam coisas sobre mim com base em uma música. Meus pais também ouviram muitas coisas horríveis sobre mim”.

Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

Jung Ah, do After School, disse: “Eu não sabia como lidar com o banco. Isso é o quanto eu não poderia fazer as coisas sozinha. Eu fui trainee por 10 anos antes de fazer minha estreia. As únicas coisas que eu podia fazer eram dançar e cantar, então era difícil desistir disso. Eu fiquei sem saber o que fazer a seguir”. Heo Young Ji, do KARA, também falou sobre suas dificuldades depois que o girl group se desfez.

Lizzy do After School, agora trabalhando como atriz sob o nome de Park Soo Ah, disse: “É muito difícil, mas o momento em que você recebe aplausos depois de uma apresentação é como nada que eu possa descrever em palavras”.

Idols antigos e atuais falam sobre fama, vida após os holofotes e término de contratos

Nam Gyuri do SeeYa disse: “Receber atenção e amor é viciante. Parecia que as pessoas realmente me amavam. Por um momento fugaz, você está feliz sem pensar, mas o máximo que pode durar é de 5 a 7 anos”.

14U disse: “Você trabalha duro, mas todo mundo trabalha duro. Se você tentar voltar à sua vida normal, não sabe o que fazer. Este é o momento em que é mais difícil e mais desconfortável”. No entanto, eles acrescentaram: “Os 3 minutos e 30 segundos que você passa no palco são os mais felizes”.

Quando perguntado se eles seriam um idol novamente em outra vida, Thunder disse: “Houve muitos momentos difíceis, mas também houve ótimas lembranças. Nada pode ser comparado a essas lembranças”. Tony Ahn disse: “O trabalho que eu quero fazer é cantar e dançar do jeito que eu gosto”. Para seus juniores, o veterano acrescentou: “A vida de um idol é uma maratona. Não seja impaciente, não desista. Um dia a oportunidade virá. Você não precisa conseguir o primeiro lugar para viver uma vida feliz”.

Gayoung disse: “Você deve sempre pensar em si mesmo primeiro. Mantenha suas opções em aberto”. Nam Gyuri disse: “Você pode pensar que se tornar famoso trará felicidade, mas o preço da fama é ter que lidar com todo um novo conjunto de problemas”.

Tony Ahn disse: “Você não consegue apenas porque trabalha duro. Mas você também não consegue apenas por sorte. O seu talento, a capacidade do planejamento da sua agência e a sorte tem que estar do seu lado”.

Fonte: (1)

Deixe aqui sua opinião sobre